O produtor musical gaúcho Carlos Eduardo Miranda, de 56 anos, morreu na última quinta-feira (22), em São Paulo, um dia após seu aniversário. Ele sofreu um mal súbito em sua casa, de acordo com o Bom Dia São Paulo.

Miranda foi jurado no reality musical “Ídolos”, em 2006 e 2007, e nos programas “Astros” e “Qual é seu talento”, no SBT. Também foi o responsável por revelar bandas como Skank, O Rappa e Raimundos, além da cantora paraense Gaby Amarantos.

Nas redes sociais, famosos que o conheciam fizeram homenagens ao produtor.

Samuel Rosa, vocalista do Skank, postou um texto extenso: “Se não existisse Miranda talvez a história do rock brasileiro a partir dos anos 90 fosse completamente outra. Foi ele quem literalmente descobriu e trouxe a cena várias bandas daquela geração, inclusive o Skank”, escreveu. “Vá em paz querido Miranda, sua missão foi cumprida com louvor. Eterna gratidão.”

Veja o post na íntegra abaixo:

Triste ter que se despedir desse cara. Se não existisse Miranda talvez a história do rock brasileiro a partir dos anos 90 fosse completamente outra. Foi ele quem literalmente descobriu e trouxe a cena várias bandas daquela geração, inclusive o Skank. Se fôssemos falar da primeira metade da década de 90 então, diria sem pestanejar que praticamente todas as bandas que se tornaram conhecidas tiveram o seu crivo. Nos o conhecemos ainda como editor chefe da revista Showbizz, espécie de bíblia pra quem curtia música e cultura pop naquela época. Conhecia de música como poucos. Foi nessa mesma revista que ganhamos nossa primeira capa em 1992 ainda como banda independente. Tudo pelas mãos desse querido amigo que ainda viria a trabalhar como produtor em Carrossel 2016 e seria uma espécie de consultor musical de cargo vitalício dentro do Skank. Sem suas críticas e suas sugestões não teria existido Maquinarama e Cosmotron, álbuns revolucionários na discografia da banda. Posso dizer sem nenhum exagero, e sem me contaminar pela emoção do momento, o que também não seria um pecado, que esse grande amigo que partiu hoje, foi uma das figuras mais importantes da história do Skank e por certo do rock brasileiro dos 90. Vá em paz querido Miranda, sua missão foi cumprida com louvor. Eterna gratidão. @skankoficial

Uma publicação compartilhada por Samuel Rosa (@samuelrosaoficial) em

Henrique Portugal, tecladista do Skank, afirmou que “o grande Carlos Eduardo Miranda foi uma figura seminal na nossa história. Foi ele quem chamou a atenção da imprensa do eixo Rio-SP sobre um quarteto que vinha de Minas Gerais e misturava reggae, pop, ska. Foi a chave que abriu a porta pro que viria depois”.

Digão, guitarrista e vocalista da banda Raimundos, também escreveu sobre a morte de Miranda e agradeceu pelo apoio do produtor. “Não existem palavras suficientes pra expressar a minha eterna gratidão por ter acreditado nesses malucos de Brasília aqui! “Bah velhinho” vai ecoar pra sempre no meu coração”, escreveu.

Gaby Amarantos, cantora do tecnobrega, foi revelada por Miranda e também o homenageou. “Ele sempre acreditou na música do Pará, eu vou lembrar do seu coração amoroso, do seu lado manteiga derretida e do paizão nosso que ele sempre será”, escreveu a paraense.

O perfil da banda O Rappa, no Instagram, postou sobre a ajuda de Miranda para a trajetória musical do conjunto. “(…) foi responsável por algumas das coisas mais legais que já aconteceram na música brasileira contemporânea. Carlos Eduardo Miranda era antes de tudo um amante da arte. (…) Produziu o nosso Acústico MTV, um dos discos do qual temos mais orgulho e era grande parceiro do nosso também saudoso Tom Capone, com o qual já deve ter esbarrado noutro plano e deve estar pondo o papo em dia. Vai em paz, irmão, força pra sua família e fique com a certeza de que você não veio a este a passeio, sua obra por aqui é eterna!”, diz o post.

Acabamos de saber da passagem de um grande cara. Esse aí da foto, cercado por discos foi responsável por algumas das coisas mais legais que já aconteceram na música brasileira contemporânea. Carlos Eduardo Miranda era antes de tudo um amante da arte. Jornalista, músico, produtor e mais do que tudo, um grande agitador cultural com uma grande importância na nossa carreira e de tantas outras bandas da nossa geração. Produziu o nosso Acústico MTV, um dos discos do qual temos mais orgulho e era grande parceiro do nosso também saudoso Tom Capone, com o qual já deve ter esbarrado noutro plano e deve estar pondo o papo em dia. Vai em paz, irmão, força pra sua família e fique com a certeza de que você não veio a este a passeio, sua obra por aqui é eterna! 🙏

Uma publicação compartilhada por O Rappa (@orappa) em